sexta-feira, 31 de julho de 2009

Em Agosto a leitura acontece

A livraria Histórias com Bicho apresenta, para o mês de Agosto, mais um programa de actividades ligadas à leitura. Desde peças de teatro a apresentações de livros, passando por oficinas e projecções de filmes, o leitor terá muito por onde escolher. No dia 7 a livraria contará com a presença de Marina Palácio e no dia 8 será a vez de André Letria. O programa poderá ser consultado aqui, a partir do dia 1 de Agosto.

Magda Costa

Livros à mão

É surpreendente saber que ainda existem editoras assim. Tara Books, editora sedeada na Índia, recuperou técnicas ancestrais de manufactura de livros, adicionou-lhes uma grande dose de profissionalismo e o resultado está à vista – livros únicos, com textura e cheiro característicos, que apetece ler. Vale a pena dedicar alguns minutos ao visionamento do filme que mostra todo o processo de trabalho na oficina desta editora.



Aconselho vivamente a leitura de Tsunami, um livro desdobrável, que prende a atenção pela história, cor e formato. A editora aceita encomendas internacionais. Para saber mais acerca da Tara Books, clique aqui.

Magda Costa

quinta-feira, 30 de julho de 2009

32º Congresso IBBY – “A força da minorias”

O 32º Congresso do International Board on Boocks for Young People (IBBY) realizar-se-á de 8 a 12 de Setembro de 2010, em Santiago de Compostela. O tema aglutinador deste congresso será “A força das minorias”. Nele abordar-se-ão os seguintes temas:- Literatura infantil e juvenil: uma minoria no conjunto da literatura;- Literatura infantil e juvenil em línguas minoritárias: da diferença à sobrevivência;- Leitores em situação minoriatária;- Leitores sem infância;- Eu sou leitora, tu és leitor... (a problemática do género na literatura infantil);- Globalizar a pluralidade e a tolerância através dos livros infantis.

O congresso organiza-se em torno de seminários, oficinas, mesas redondas e actividades paralelas.As mesas redondas funcionam como espaços de encontro, reflexão e propostas de sub-temas relacionados com o tema geral. Estão previstos como sub-temas a debate:
1. Tradição oral: uma imensa minoria;
2. Tradução: a ponte entre a minoria e a maioria;
3. Literatura para crianças e jovens: minorias de género e orientação sexual;
4. Literatura para crianças e jovens: minorias linguísticas e culturais;
5. Publicar para as minorias;
6. Minoria, crítica e investigação;
7. Minorias e promoção da leitura;
8. Literatura para crianças e jovens: meios de comunicação e globalização;
9. A ilustração: uma esfera minoritária na arte?
10. Literatura para crianças e jovens contra a invisibilidade cultural;
11. Literatura para crianças e jovens: criação literária em situação de minoria linguística;
12. Literatura para crianças e jovens e outras formas de minoria;
13. Literatura para crianças e jovens e a Internet: novas ferramentas a favor das minorias;
14. Géneros literários minoritários I: poesia;
15. Géneros literários minoritários II: teatro;
16. Géneros literários minoritários III: banda desenhada;
17. Literatura para crianças e jovens. Cinema e animação.
A data limite para apresentação de propostas de comunicação será Outubro de 2009. Em Janeiro de 2010 a equipa de organização do Congresso contactará todos os comunicadores seleccionados para cada Seminário.

Neste congresso estarão presentes membros do IBBY e outros interessados no desenvolvimento da leitura e do relacionamento entre as crianças e os livros, nomeadamente Teresa Colomer, Kimete Basha, entre outros.Este é um excelente momento para estabelecer contactos, trocar ideias e alargar horizontes no que ao livro infantil diz respeito.

Para informações detalhadas, clique aqui.

Magda Costa

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Colecção “Oficinas de Serralves”

A nova publicação da colecção “Oficinas de Serralves” é mais um ponto de partida para actividades de expressão artística a desenvolver por pais, educadores e professores em contextos variados, tendo como ponto de partida a obra de diversos artistas contemporâneos apresentados no Museu de Serralves.
Elvira Leite, Sofia Vitorino e o Planeta Tangerina são os autores do terceiro livro da colecção "Oficinas de Serralves". São 43 páginas em tamanho A5 e custam 5€.

“Oficinas em família” na Fundação de Serralves
Ainda na Fundação de Serralves decorrem as “Oficinas em Família”, todos os Domingos, entre as 10h00 e as 13h00, durante os meses de Julho, Agosto e Setembro. Aos Sábados (todo o dia) e Domingos (à tarde) as actividades são gratuitas mediante aquisição de bilhete na recepção do Museu. Ao Domingo até às 14h00 a entrada é livre.

Para aceder ao programa de actividades da Fundação de Serralves clique aqui.
Para conhecer as publicações desta Fundação clique aqui.

Sandra Simões

terça-feira, 28 de julho de 2009

Sementes de leitura

Ainda é cedo, mas vale a pena pôr já na agenda para não esquecer. Nos dias 17 e 18 de Setembro, a Biblioteca Municipal D. Dinis, em Odivelas, estará ocupada com «Uma Árvore de Leituras». Este conjunto de conferências vai mostrar o resultado de um trabalho continuado desde 2006 na área da leitura, com crianças dos nove meses aos três anos (tendo envolvido mais de 62 famílias), integrado no Projecto Casa da Leitura da Fundação Calouste Gulbenkian.

Se o primeiro painel é dedicado à «Literacia Emergente e Familiar», o segundo incide sobre um tema que começa a trazer-se à discussão: «Álbuns de imagens». Com moderação da jornalista do Público, Rita Pimenta, no debate intervêm Helena Rodrigues, da Universidade Nova de Lisboa, Eduarda Coquet, da Universidade do Minho, e Eva Mejuto, da Editora OQO. No segundo e último dia, durante a manhã, o tema da conferência são as «Práticas de Promoção da Leitura».

Porque a leitura é uma responsabilidade de todos, a Biblioteca Municipal D. Dinis convida-o a estar presente nestes dois dias de reflexão e troca de ideias. Foi criado um blogue que mantém toda a informação actualizada, e onde pode também preencher a sua ficha de inscrição e aceder aos contactos.

Para saber o programa completo das conferências clique aqui.

sábado, 25 de julho de 2009

Rashin Kheyrieh - Ilustração do Irão


Foi no site da International Children's Digital Library que descobri talentosos ilustradores iranianos, assim como outros oriundos de tantos países que ali se encontram representados. Em particular, as ilustrações da Rashin transportam uma enorme delicadeza no traço e a curiosidade da certeza seguida no desenho em todos os pormenores e manchas que dão forma às suas personagens singulares. Rashin Kheyrieh é membro da Sociedade de Ilustração do Irão e conquistou já vários prémios nacionais e internacionais. Dirige trabalhos na área da animação e tem exposto também um pouco por toda a parte.

Tive oportunidade de a contactar e de trocar ideias sobre o seu trabalho, que é vivido tão intensamente. Muito generosa e activa, a Rashin é um dos melhores cartões de visita para o mundo dos livros infantis no Irão, um país distante e, no entanto, tão próximo na universalidade das narrativas para crianças, partilhada por todos os que se encontram na busca da originalidade e no prazer da leitura.

O site da Rashin está escrito em inglês e merece a visita, pelo valor do seu trabalho, pelo prazer de ler o persa (pársi) manuscrito com uma elegância artística que, mesmo não percebendo uma palavra, é um encanto para a vista!



Quanto à biblioteca digital, internacional e para crianças, é um gosto navegar por um trabalho tão honrado e desenvolvido com uma competência irrepreensível. Assumindo o ónus da questão e da resposta levantadas num relatório de 2005 da UNESCO – «Em termos de pedagogia, como as crianças aprendem melhor? Na sua língua mãe» –, a International Children's Digital Library assume como missão disponibilizar uma colecção de livros infantis de todo o mundo, representativos da história e da actualidade de cada país, aspirando a ver representado no seu sítio online todas as culturas e línguas existentes, para que todas as crianças possam conhecer, apreciar e usufruir da riqueza da literatura infantil produzida numa comunidade global.

A biblioteca oferece conteúdos críticos muito lúcidos e interessantes do ponto de vista da avaliação das obras, dá voz aos utilizadores e disponibiliza várias ferramentas de leitura (em várias línguas) e de pesquisa a todo o site. Tudo gratuitamente.

Reproduzo aqui a missão da Fundação ICDL que resume, com clareza, o princípio de tudo o que poderão encontrar naquele fabuloso sítio na internet.

«The mission of the International Children's Digital Library Foundation (ICDL Foundation) is to support the world's children in becoming effective members of the global community - who exhibit tolerance and respect for diverse cultures, languages and ideas -- by making the best in children's literature available online free of charge. The Foundation pursues its vision by building a digital library of outstanding children's books from around the world and supporting communities of children and adults in exploring and using this literature through innovative technology designed in close partnership with children for children.
The ICDL Foundation is a non-profit corporation.»

Para aceder ao site da ilustradora Rashin Kheyrieh clique aqui.
Para aceder ao site da International Children's Digital Library clique aqui.


Para saber mais sobre a língua, caligrafia e tipografia iranianas clique aqui para ler em português na wikipédia, ou aqui, em inglês, num artigo mais aprofundado.

Para aceder ao artigo da japonesa PingMag sobre tipografia iraniana, em inglês, clique aqui.

Helena Gonçalves

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Chamem-lhes nomes!

Com ilustrações de Afonso Cruz e o texto de Margarida Fonseca Santos, Chamem-lhes nomes! é o segundo título disponível da Colecção Gramofone (ed. Texto), já aqui apresentada. Este é um álbum repleto de histórias de nomes próprios, comuns, colectivos, improváveis, insatisfeitos e inventivos. Em cada uma das nove histórias do livro, Margarida Fonseca Santos coloca dois desafios às crianças: e se as palavras tivessem uma dimensão nova? E se brincássemos com os nomes como se de um jogo se tratasse?
No final, as crianças poderão encontrar esquemas que lhes apresentam os nomes segundo os respectivos género, número, grau e subclasse. Poderão ainda aprofundar a informação acerca do(s) livro(s) no site da Colecção Gramofone, através de sugestões de actividades, documentos de apoio para descarregar e... as soluções para algumas questões importantes.

Para aceder ao blogue de Margarida Fonseca Santos clique aqui.
Para aceder ao site do ilustrador Afonso Cruz clique aqui.
Para aceder ao site da Colecção Gramofone clique aqui.

terça-feira, 21 de julho de 2009

O regresso do Menino Nicolau

Este menino nasceu em 1956, numa tira de BD de um jornal belga, com o traço de Jean-Jacques Sempé e a escrita de Agostini, pseudónimo de René Goscinny (criador, com Albert Uderzo, dos invencíveis gauleses Astérix e Obelix). No ano seguinte, editava-se o primeiro livro. Os autores tentaram sempre colocar-se no papel de uma criança, contando as aventuras do ponto de vista de um pequeno sonhador que não compreende as atitudes dos adultos.

A Teorema publica entre nós o novo livro com aventuras inéditas – O Balão do Menino Nicolau e Outras Histórias –, o primeiro com aguarelas coloridas do autodidacta ilustrador que faz 77 anos no próximo mês de Agosto. Em Setembro, estreia-se nos cinemas franceses Le Petit Nicolas, de Laurent Tirard. Quando chegar a Portugal, poderemos ver as personagens em “carne e osso” do Menino Nicolau e dos seus amigos com estranhos nomes: Alceste, “que passava a vida a comer”; Clotário, “o pior aluno da turma”; Eudes, que “anda à bulha com os colegas”; Godofredo, “que tem um papá muito rico”; Aniano, “o menino-bonito da professora”; e ainda a Luisinha, com quem Nicolau quer casar, apesar de não gostar de raparigas porque “não sabem brincar se não às bonecas e às vendedoras e passam a vida a chorar”.
Para aceder ao site do Menino Nicolau clique aqui.
Para aceder ao site oficial do filme clique aqui.

Sandra Simões

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Contos infantis do Correntes d’Escritas


O Correntes d’Escritas – Encontro de Escritores de Expressão Ibérica lançou o desafio na última edição, em Fevereiro passado, na Póvoa de Varzim, quando se comemoraram os dez anos daquele que já é o maior festival literário português. Escolas e alunos do 4º ano do ensino básico foram convidados a puxar pela imaginação e a escrever e ilustrar contos – trabalhos colectivos originais – que foram submetidos a apreciação. O resultado está agora à vista num livro com edição da Porto Editora, em que se reúnem seis histórias provenientes de seis escolas.

A EB1/JI de Aires, em Palmela, vencedora do primeiro prémio, abre o livro com o conto Um Susto e um Presente. O Externato O Paraíso dos Pequeninos, de Lourosa, e o Externato O Patinho Feio, da Amadora, segundo e terceiro classificados, respectivamente, concluíram o pódio e a primeira parte da obra. A EB1/JI de Neves, a EB1 São João de Brito e a EB 1 de Aldeia Nova, graças às menções honrosas que as distinguiram, também têm incluídos os seus contos ilustrados. Os alunos da Escola Primária de Eich, no Luxemburgo, viram igualmente os seus desenhos reproduzidos nestas páginas.

No dia 6 de Agosto, pelas 21h30, a Feira do Livro da Póvoa de Varzim acolhe o lançamento oficial do livro, em que será apresentado o regulamento para a edição 2010 do Prémio Conto Infantil Ilustrado Correntes d’ Escritas/Porto Editora, já com algumas pequenas alterações. É estar atento e… mãos à obra!

domingo, 19 de julho de 2009

Livros para pequenos astrónomos


Estamos ainda em plena comemoração do Ano Internacional da Astronomia, quatro séculos volvidos sobre uma das maiores invenções humanas: o telescópio astronómico. Houve muitos precursores, mas foi Galileu Galilei quem o tornou famoso, conseguindo avistar a Lua e os quatro satélites de Júpiter. Foi também há 40 anos que os astronautas da Apollo 11, Neil Armstrong e Edwin Aldrin, pisaram pela primeira vez o solo lunar, a 20 de Julho de 1969.

A editora Texto não deixou passar em branco as efemérides e lançou vários títulos alusivos ao tema, nomeadamente Eu Quero Saber – Astronomia, um livro informativo da colecção Universal Júnior, e Galileu à Luz de uma Estrela, biografia assinada por uma dupla já conhecida: José Jorge Letria (texto) e Afonso Cruz (ilustração).
Em Outubro, a Texto lançará uma nova colecção, também de livro informativo, denominada Guias Espaciais.

sábado, 18 de julho de 2009

Aprender com os burros


Depois de O Livro Inclinado e O Incrível Rapaz que Comia Livros, a colecção Orfeu Mini prossegue com Burros, uma obra das austríacas Adelheid Dahimène (texto) e Heide Stöllinger (ilustração) premiada com o White Raven Award de 2003. Ainda só tivemos oportunidade de o folhear, mas aqui fica a sinopse enviada pela Orfeu Negro:

«Burros conta a história enternecedora de um casal de burros que celebra o aniversário das suas bodas de prata. Porém, uma pequena discussão e muita casmurrice fazem com que cada um siga o seu caminho em busca de novo parceiro. Depois de vários encontros e desencontros, acabam por perceber que não é assim tão fácil substituírem-se um ao outro…Uma história de amor, teimosia e reconciliação contada com humor e forte expressividade gráfica.»
Nas livrarias a partir de 24 de Julho.

Para aceder ao site da Orfeu Negro clique aqui.
Post cedido por O Jardim Assombrado.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Um berbicacho na Comuna


A propósito do lançamento de uma nova colecção, a editora Lua Mágica e a Comuna – Teatro de Pesquisa estão a preparar uma tarde de festa para as crianças, já marcada para o dia 28 de Julho. O programa começa às 16h30 com uma visita guiada pelas instalações da companhia sedeada na Praça de Espanha (Lisboa), conduzida pelo actor Miguel Sermão. Haverá também uma sessão de histórias contadas por Sílvia Costa e Álvaro Faria – este último, actor e encenador que se estreia na escrita de livros para crianças com O Berbicacho.

Não conhecemos ainda a história, mas sempre podemos adiantar que o tal «berbicacho» é da responsabilidade de um coelho, cujo maior problema é ter os colegas da escola sempre a gozar com ele. Com ilustrações de Inês Ramos e Álvaro Santos, a história conta-se em vários episódios, cada um passado em diferentes dias da semana. Falta dizer que O Berbicacho é o primeiro volume da colecção As Histórias do Coelhinho Bolinha e que a apresentação do livro, no dia 28 de Julho, será feita pela escritora Alice Vieira.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Shaun Tan


Quem ainda nunca ouviu falar de Shaun Tan? É ilustrador e autor de livros magníficos como The Rabbits, The Red Tree, The Arrival, The Lost Thing e Tales from Outer Suburbia, entre tantos outros.
Nascido na Austrália, filho de pai arquitecto, é um artista extremamente polivalente, um verdadeiro camaleão que, sem nunca perder o seu estilo muito próprio, consegue adaptar a sua arte de forma a valorizar o conceito subjacente a cada livro que concebe. Os seus livros abordam temas sociais, políticos e históricos que apaixonam públicos de todas as idades, tendo sido largamente premiados e reconhecidos um pouco por todo o mundo. Influenciado pelo movimento surrealista, pela pintura, teatro, animação e pela arte em geral, vai doseando cada um destes ingredientes de uma forma magistral. Cada novo álbum é uma surpresa muito agradável. Podemos também reconhecer o seu trabalho em filmes como WALL-E e Horton e o Mundo dos Quem!, em que trabalhou como artista conceptual.


Shaun Tan foi galardoado com o World Fantasy Best Artist Award em 2001. Alguns dos seus livros foram publicados em espanhol pela editora Barbara Fiore, com os títulos La Cosa Perdida, Emigrantes, Los Conejos, El Árbol Rojo e Cuentos de la Periferia.
Podem encontrar-se alguns textos de crítica aos livros no site desta editora espanhola, que aloja ilustradores e autores como Wolf Erlbruch, Davide Cali, Jimmy Liao, Susy Lee, Paul Rand e muitos outros. Shaun Tan tem também um site soberbo que merece ser visitado com tempo para explorar cada canto e recanto. Passem por lá!

Para aceder ao site do ilustrador clique aqui
Para aceder ao site da editora Barbara Fiore clique aqui.

Ana Lage

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Contra a ditadura da capa dura

A Caminho apresentou ontem à imprensa e a outros meios uma nova colecção que constitui uma autêntica «pedrada no charco» da edição do livro infantil em Portugal. Com a evolução deste segmento na última década, surgiu também a tendência quase inescapável das edições de álbuns em capa dura, uma espécie de statement de qualidade que, por vezes, supera o próprio conteúdo do livro, quer em termos de texto quer de ilustração. Dito de outra maneira: muita parra e pouca uva. José Oliveira, editor da Caminho para a área infanto-juvenil, citou a nossa lista de «Mitos e preconceitos à volta do livro infantil» (ver aqui), referindo justamente essa ideia feita que pretende que «só os livros de capa dura têm valor»…
A nova colecção, denominada Borboletras, pretende reverter este panorama com o lançamento de 11 títulos até ao final de 2009, com tiragens de 5000 exemplares cada. A novidade não reside apenas na opção pela capa mole, mas sobretudo na inequívoca qualidade dos escritores e ilustradores escolhidos, quase todos de origem inglesa e com numerosos prémios no currículo. O preço é, como se costuma dizer, «uma agradável surpresa»: 5,90 euros, metade do que custaria o mesmo título numa edição em capa rija. Com esta forte aposta, a editora quer tornar a colecção acessível a todas as bolsas e colocá-la também à venda nas grandes superfícies, onde as opções neste segmento raramente primam pela qualidade literária.

Os primeiros cinco livros da colecção vão estar nas livrarias a partir de segunda-feira e alguns deles passaram pelas nossas aulas, nas versões originais. Tomem nota: A Surpresa de Handa, de Eileen Browne (texto e ilustrações), a primeira autora a publicar no Reino Unido uma história cuja protagonista é uma criança com uma mãe negra e um pai branco; Aldo, de John Burningham (texto e ilustrações), um livro que fala da importância do «amigo secreto»; Catatuas, de Quentin Blake (texto e ilustrações), interpretação divertidíssima e não literal da relação entre texto e imagem; e ainda dois títulos amplamente premiados, Pinguim e O Bebé que Não Queria Ir Para a Cama, de Polly Dunbar e Hellen Cooper, respectivamente, ambas autoras do texto e das ilustrações.
Até ao fim de 2009 sairão mais seis títulos, à razão de dois por mês. Martin Waddel, Barbara Firth, Lucy Cousins, Petr Horácek e Helen Oxenbury são os nomes na calha, além de Quentin Blake e Helen Cooper, que repetem a presença na colecção Borboletras. Voos altos e felizes, eis o que se espera. E que ninguém diga mais que os livros são «indecentemente caros»…

Carla Maia de Almeida

terça-feira, 14 de julho de 2009

Olhó livro fresquinho, fregueses!

A editora Planeta Tangerina vai para o Mercado de Oeiras, dia 16 de Julho, e pelas 19h00 lança ao público duas obras fresquinhas: Andar Por Aí, com ilustrações de Madalena Matoso, e As Duas Estradas, desenhado por Bernardo Carvalho, ambos a apregoar a escrita de Isabel Minhós Martins. Vá lá, é seguir que a festa promete e já só falta um dia!

Vejam! Vejam! Aqui o filme-convite dos próprios, no blogue deles.

Gramática divertida

Chama-se Gramofone e é uma nova colecção recém-lançada pela editora Texto, em que o gozo da leitura se associa à familiaridade com as regras da gramática e da fonética da língua portuguesa. Composta por álbuns temáticos, a colecção arrancou com O Dia em que o Meu Bairro Ficou de Pantanas, com texto de Rosário Alçada Araújo e ilustrações de Afonso Cruz. Aqui, o mote são as famílias de palavras, as palavras parónimas, homógrafas, homófonas e homónimas… Parece complicado, mas garantimos que o resultado é muito divertido!

A seguir, ainda esta semana, deverá chegar o segundo volume, com texto de Margarida Fonseca Santos e mais ilustrações de Afonso Cruz. O título é Chamem-lhes Nomes! e, desta vez, o tema gramatical tratado são os nomes comuns, colectivos, próprios, concretos e abstractos. Em Setembro, Alice Vieira e Luísa Costa Gomes dão o mote para os próximos álbuns de uma colecção que, prevemos, vai agradar não só às crianças como aos professores.

Para aceder à página da Colecção Gramofone clique aqui.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Luís de Camões para os mais novos

A Porto Editora lançou recentemente o livro Poesia de Luís de Camões para Todos, com selecção e organização de José António Gomes e ilustração de Ana Biscaia. Segundo informações fornecidas pela editora, «a antologia de poemas camonianos destina-se, preferencialmente, ao público infanto-juvenil e, para facilitar a leitura, assume a liberdade de actualizar algumas grafias antigas, salvaguardando a rima». A ilustração, da responsabilidade de Ana Biscaia, insere-se na linha que distingue a colecção Oficina dos Sonhos, dedicada aos grandes clássicos da literatura e coordenada por José António Gomes, com direcção artística de António Modesto.

Duas notas sobre os autores: José António Gomes é professor de literatura no Instituto Politécnico do Porto e tem trabalhado no âmbito da formação de professores. Colabora em várias publicações como crítico de literatura infanto-juvenil e dirige a Malasartes – Cadernos de Literatura para a Infância e a Juventude. Ana Biscaia nasceu em 1978, estudou Design de Comunicação na Universidade de Aveiro e Ilustração e Design Gráfico em Estocolmo. Obteve uma menção honrosa no Concurso Nacional de Jovens Criativos 2009 da Cidade do Montijo.

sábado, 11 de julho de 2009

Andar por aí faz bem

Andar por aí, na rua, é algo que as últimas gerações quase desconhecem. Não vamos gastar caracteres com sociologia, antes sublinhar a importância deste livro na recuperação dos prazeres da vadiagem, essa busca sem objectivo que nos conduz ao essencial. Saltar poças, ler anúncios, tocar muros, fazer riscos no chão com paus, eis alguns dos gestos de inscrição das crianças no mundo que as rodeia – no caso, um espaço urbano aparentemente limitado. Mas, quando se tem um avô flâneur, despreocupado e conversador, tudo muda: «O meu avô tem sempre tempo e ter tempo é muito bom.» Isabel Minhós Martins consegue captar as obsessões infantis («Só me salvo se aparecer agora um carro preto ao fundo da rua») e construir um percurso interior que é acompanhado pelas ilustrações de Madalena Matoso, sugerindo linhas, sinais, tracejados e pontos de referência, como um mapa. Note-se o espaço de página que há sempre entre o avô e o miúdo, uma relação libertadora que no fim do livro se manifesta pela proximidade dos objectos de cada um: as botas, os casacos, os chapéus-de-chuva... A Planeta Tangerina entrou em 2009 em grande forma. Andar por aí faz bem à imaginação.

(Texto publicado na revista LER nº 82)
Carla Maia de Almeida

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Alice no País das Maravilhas por Tim Burton

As primeiras imagens de Alice no País das Maravilhas foram reveladas. O elenco é de luxo e integra, além da australiana Mia Wasikowska no papel de Alice, nomes como Johnny Depp interpretando o Chapeleiro Louco, Helena Bonham Carter como Rainha de Copas, Michael Sheen como Coelho Branco, Anne Hathaway como Rainha Branca, Alan Rickman a vestir a pele de Lagarta, Christopher Lee como Jabberwock e Stephen Fry como Gato de Cheshire. Os actores estão praticamente irreconhecíveis na pele das personagens criadas por Lewis Carroll e reinterpretadas pelo realizador Tim Burton. A estreia mundial do filme está prevista para Março de 2010. E promete.

O argumento é assinado por Linda Woolverton (de A Bela e o Monstro e O Rei Leão), que transforma Alice numa adolescente que regressa ao País das Maravilhas, com 17 anos. Na versão agora apresentada, Alice vai a uma festa na qual será pedida em casamento, em frente à alta sociedade vitoriana. Contudo, Alice foge, perseguindo um coelho branco, e ao entrar por uma toca vai parar ao País das Maravilhas, onde tinha estado 10 anos antes, embora não guarde memória deste acontecimento.

Charles Lutwidge Dodgson, escritor e matemático britânico conhecido como Lewis Carroll, nasceu em Inglaterra em 27 de Janeiro de 1832. Foi professor de matemáticas em Oxford e estudioso da lógica matemática. Escreveu diversos relatos, aparentemente de carácter infantil, cuja matéria narrativa se aproxima do absurdo. Foi enquanto professor em Oxford que conheceu Henry Liddell, pai de três meninas – Alice, Lorina e Edite –, a primeira das quais viria a ser a fonte de inspiração para o seu primeiro romance – As Aventuras de Alice no País das Maravilhas - publicado em meados do século XIX. Escreveu ainda outras obras do mesmo género, como Through the Looking-Glass and What Alice Found There, Sylvie and Bruno e The Hunting of the Snark. Lewis Carroll faleceu em Guildford, Surrey, no ano de 1898.

Obra-prima de fantasia da autoria de Lewis Carroll, As Aventuras de Alice no País das Maravilhas é um livro de surpreendente originalidade. Alice encontra-se com um coelho branco que caminha pela floresta, sempre a resmungar. Segue-o até à sua toca e cai por um buraco profundíssimo. É então que descobre uma terra de sonho onde encontra inúmeras criaturas e personagens que a vão levar por esse mundo de fantasia – o doce Gato Cheshire, o extravagante Chapeleiro, o Major Lagarta ou as flores falantes.
Poções mágicas e cogumelos misteriosos permitem que Alice assuma diferentes formas até se encontrar no campo de croquet da Rainha de Copas, onde Sir Jack é acusado de roubar tartes. Alice é chamada a testemunhar num cómico julgamento. Mas, antes do fim, Alice desperta bruscamente e descobre que tudo havia sido um sonho. Lewis Carroll serve-se assim da capacidade infantil para observar a realidade com total ingenuidade, utilizando-a para evidenciar aspectos absurdos e incoerentes do comportamento adulto e para animar jogos encantadores baseados em regras da lógica.

Ana Tenente e Magda Costa

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Palco das Artes XI – Gémeo Luís

E segue o nosso Palco das Artes, desta vez inspirado num artista lusitano.
Gémeo Luís é uma figura inovadora no campo da ilustração portuguesa. Cria, por meio do recorte de papel kraft com x-acto, um registo demarcado, quase caricatural, que se alonga no espaço e relata, de forma distintamente expressiva, uma viagem que em muito ultrapassa a palavra e o contorno visual fixados no papel. Utiliza o contraste branco-negro agudizando o drama, instilando o humor irónico, incisivo, terno. Assina a história com o seu cunho pessoal, num devaneio paralelo que exalta sentidos por desvendar.
Associado ao livro que crianças, jovens e adultos lêem com igual curiosidade, persegue com inquietude, na sua intervenção multifacetada, a genuinidade e, revela um fazer eclético, miscigenado de culturas e filosofias, unas na representação da realidade absoluta ou no delinear do sonho difuso e encantatório.

Para aceder ao trabalho da Eugénia Penteado clique aqui.
Para aceder ao trabalho da Sónia Martins clique aqui.

Para saber mais sobre Gémeo Luís clique aqui.
Para aceder ao site das Edições Eterogemeas clique aqui.

Eugénia Penteado e Sónia Martins

terça-feira, 7 de julho de 2009

Não falta quase nada…

…Pois é já para a semana que podemos encontrar e comprar o terceiro livro da nossa colega de Curso de Pós-Graduação em Livro Infantil, Carla Maia de Almeida.
“Ainda Falta Muito?” é uma parceria com Alex Gozblau, vencedor do último Grande Prémio Stuart de Desenho de Imprensa, e resultou tão bem que os dois autores já andam a pensar noutros projectos.

Parabéns, Carla! Venham muitos!

domingo, 5 de julho de 2009

Oficina para pais: como contar histórias

Quem vive no Porto ou no norte do país está em vantagem para fazer esta oficina destinada a pais, educadores e interessados na técnica e arte de contar histórias. Não é um curso profissional, mas, porque há muita gente que gostaria de contar histórias aos seus filhos e não sabe como fazê-lo ou acredita que «não tem jeito para isso», a livraria Salta-Folhinhas e a orientadora Clara Haddad, actriz e contadora, propõem um mini-workshop de uma tarde para aprender a brincar com as palavras.

«Aqui veremos que todos temos a nossa maneira de contar uma história», garantem. «Basta conjugar esse nosso estilo pessoal com algumas técnicas e pronto! Está feita a magia…De uma forma leve e despretensiosa esta oficina vai ajudar os pais a mudarem o ângulo de visão perante um conto.»

Destinada a um máximo de 20 participantes e a um mínimo de 10, a oficina decorre no próximo sábado, 11 de Julho, entre as 15h00 e as 18h00. Custa 25 euros por pessoa. Mas atenção, porque as inscrições terminam já esta segunda-feira, 6 de Julho.
Pode fazê-lo pelo email info@saltafolhinhas.pt. Para quem não sabe, a Livraria Salta Folhinhas fica na Rua de António Patrício, 50 (à Av. da Boavista), e o telefone é o 226 092 214.

Para aceder ao blogue da Salta-Folhinhas clique aqui.
Para saber mais sobre Clara Haddad clique aqui e aqui.

sábado, 4 de julho de 2009

Palco das Artes X: Christian Voltz

Retomamos o Palco das Artes, o décimo, desta vez com um trabalho sobre sobre o escritor, ilustrador, escultor e cineasta, Christian Voltz, nascido em Estrasburgo, em 1967.
Voltz foi designer de capas e ilustrador tendo também colaborado em publicações direccionadas para o público juvenil. É autor de várias obras ilustradas que saíram em editoras como a Rouergue, entre 1997 e 2000. Publicou ainda na Didier e na Grandor, ambas empresas francesas dedicadas à publicação de livros infantis.

Christian Voltz gosta do conceito de construção e desconstrução e a partir de uma estrutura repetitiva apoia-se em frases simples e recursos visuais acessíveis aos primeiros leitores, apresentando histórias divertidas que abordam temas delicados como a Morte, no livro A carícia da borboleta, já editado em Portugal, ou o complicado e misterioso processo do crescimento, pessoal e generalizado, em Onde está?, editado no nosso país pela Kalandraka.

Fiel ao seu estilo, à base de elementos recicláveis, Voltz ensina facilmente a ver para além da aparência. Porque… o que será que se esconde por trás de uma série de objectos sem valor? Aparentemente, nada… Porém, se observarmos atentamente, intuímos que, pouco a pouco, à medida que se vão colocando esses elementos, surge mais do que uma personagem. Um por um, os objectos ordenam-se para formarem a cabeça, o cabelo, o corpo… Mas, atenção! Basta um simples tropeção para que a história volte ao início… Sob a forma de uma lengalenga infantil, Voltz aborda de forma lúdica a construção do ser humano a grandes traços, bem como a fragilidade de cada ser. Continua a trabalhar em Estrasburgo e é também director de curtas metragens de animação.

Em Voltz nota-se uma grande influência do mestre Tim Burton, autor, entre outros do filme A Noiva Cadáver, ou do livro A Morte Melancólica do Rapaz Ostra & outras Histórias, também referidos nesta abordagem.
De realçar ainda uma jovem autora e ilustradora argentina, Gabriela Burin, nascida em 1983, que desde 2004 escreve e ilustra historias para crianças e não só. Sente-se no seu trabalho o predomínio da arte desconstrutiva dos autores citados e a pitada de mistério na construção das personagens e das histórias.
A destacar o seu ultimo livro El Incêndio, que ilustrou, com textos de Maria Teresa Andrueto e que recebeu uma menção de A.L.I.J.A, (Associação de Literatura Infantil e Juvenil de Argentina), em 2009, na categoria de álbum. Infelizmente os livros de Gabriela Burin ainda não se encontram em Portugal.
Para aceder ao trabalho clique aqui.

Para saber mais sobre Christian Voltz clique aqui.
Para saber tudo sobre Tim Burton clique aqui.
Para descobrir Gabriela Burin clique aqui.

Isabel Costa

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Ora tomem lá dois desafios: Histórias para Contar Consigo e Cantastórias, Cantar com Bebés

Dia 10 de Julho às 18h há sessão de contos com Margarida Fonseca Santos e Rita Vilela à volta do livro Histórias para Contar Consigo, na Livraria Bulhosa de Entre Campos, em Lisboa com entrada livre.

...
Este livro, fruto de uma parceria entre as duas autoras, levanta desde o início uma questão: é um livro ou um jogo? 
Começa por ser um jogo, um despique: as escolhas conduzem o leitor, de história em história, num percurso que é seu...e assim, temos:
Histórias que estimulam o imaginário, o sonho, a fantasia….
Histórias que gostamos de contar aos outros…
Histórias que falam sobre realidades e problemas que conhecemos bem….
Histórias que talvez façam pensar…, 
As histórias vão mudando e, quem sabe, no fim do livro, talvez o leitor também tenha mudado…

Pronto para o desafio? 
Esta é a primeira questão que terá de responder.
Logo, logo a seguir, no dia 11 de Julho às 10h e as 11h30, Cantastórias, Cantar com Bebés, um espectáculo de música para crianças dos 12 meses aos cinco anos, inspirado no livro do mesmo nome, com muitas cantigas, lengalengas, ternura e sorrisos.

As canções são de Margarida Fonseca Santos, as orquestrações do Francisco Cardoso e os músicos são Carlos Garcia, Elmano Coelho, Nina Repas e Paulo Carvalho. 
Para ver no Cine Teatro Gymnásio - Espaço Chiado, Rua da Misericórdia 12, Lisboa.

Bilhetes à venda em: Ticketline, Bulhosa, Worten, Dolce Vita, El Corte Inglés e na Bilheteira do teatro

Para mais informações espreite aqui.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Dali: Sonhos de Literatura e Escultura

Foi com a exposição Dali: Sonhos de Literatura e Escultura que abriu, finalmente, as portas o Palácio do Egipto, no dia 25 de Junho deste ano, no centro histórico de Oeiras.  

Depois de mais de 20 anos fechado ao abandono e obras, como não há mal que sempre dure, o belo edifício do séc. XVIII transformou-se, assim, num dos mais recentes centros culturais do município, inaugurando com esta exposição de Salvador Dali, onde podemos apreciar a sua mestria no trabalho gráfico e em diferentes constantes pictóricas.  
Sobressaem as extraordinárias relações do artista com a Literatura e Arte e, claro, os seus grandes dotes de desenhador. Encontramos desta forma reflexos de toda a tradição literária, desde “A Conquista do Graal” ou “As Idades do Homem” ao mais puro estilo do imaginário medieval, contos como “Alice no País das Maravilhas”, “Gargântua e Pantagruel” até fabulações de “Tricórnio” e “Pater Noster”. 

As esculturas, apresentadas em tamanho monumental, médio e pequeno, representam mais um alarde do imaginário de Dali. Nelas se retrata a transgressão de uma visão criativa do mundo que tem como ponto de partida o surrealismo (Elefante Cósmico ou Dragão-Cisne) transportando-nos para espaços contemplativos mais clássicos onde aparece a inquestionável musa (Gala à Janela) como que a equilibrar uma realidade mutante, um regresso ao mundo religioso (São Carlos Borromeo e Cristo) e de mitos conhecidos (Divindade sobre Delfim). 

Se perdeu a inauguração pode e deve visitar demorada e merecidamente a exposição até dia 15 de Setembro de ano.
Do que é que está à  espera? 

Morada: Rua Álvaro António dos Santos – Vila de Oeiras (entre a Rua Comandante Cordeiro Castanheira, o Mercado de Oeiras, a Igreja Matriz e o Quartel dos Bombeiros). 

Para saber mais sobre a exposição clique aqui.